4 de junho de 2011

Coaching ajuda a identificar os "sabotadores" dos investimentos

SÃO PAULO – O coaching existe no Brasil há dez anos, mas somente agora ele tem ganhado força entre os investidores. A proposta é desenvolver e até mesmo superar as principais qualidades e habilidades do aplicador, enquanto se elimina suas limitações e dificuldades.
O empresário Marcelo Baptista, de 38 anos, é um exemplo desses investidores que foram em busca do coaching. Depois de dois anos na bolsa de valores, e de algumas perdas, ele procurou ajuda do profissional quando decidiu fazer aportes maiores de dinheiro. “Queria ter ideia mais clara do que era o mercado, como ele se comportava e qual era o meu perfil”, afirmou.
O sócio da YouTrade, Marcelo Coutinho, identifica o perfil de Baptista entre seus clientes. “O coaching é indicado, primeiro, para aquele investidor que já tentou fazer sozinho, não conseguiu, e que precisa de ajuda em termos de conhecimento. E, segundo, para aquele que está começando e não quer errar”, afirmou.

O que ele faz?

De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Coaching, Villela da Mata, pessoas de diversas especialidades podem se tornar coach e ele tende a crescer cada vez mais no Brasil voltado para o âmbito dos investimentos.
O coach nesta modalidade trabalha da seguinte maneira: ele monta a estratégia, cria um cenário e elimina os sabotadores que o cliente tem e que podem impedi-lo de atingir seus objetivos. “A partir do momento em que se decide fazer algo, está se perdendo algo. O coach tem de trabalhar nessas perdas”, explicou ele.
Ele ainda tem de trabalhar na noção de prazo do investidor. “O coach faz o aumento da percepção do indivíduo de como as decisões refletem a médio e longo prazo, porque somos seres que queremos recompensas imediatas”.
Baptista sente na pele a presença dos sabotadores. De oito horas de coaching que ele tem para realizar, só fez três. E, neste tempo, já conseguiu perceber que o emocional tem de ser controlado. “Por exemplo, se meu objetivo é ganhar R$ 2 e vejo que a ação caiu, eu vendo. Espero que até o final eu consiga ter bem clara a minha estratégia e ser fiel a ela, o que ainda falta”, disse.

Consultor x Coach


Para ser um coach de investimentos, é preciso entender de finanças e das melhores estratégias para ganhar dinheiro. Mas isso um consultor também pode fazer e indicar para um investidor. Então, qual seria a diferença entre um consultor e um coach?
Na relação coach/investidor, o objetivo é transmitir conceitos estratégicos sobre como gerenciar uma carteira de forma profissional e aproveitar tanto momentos de alta como de baixa para ganhar dinheiro – sem nunca esquecer de estar alinhado aos reais interesses do investidor.
O papel do consultor, por sua vez, é o de ouvir o cliente, estudar seus interesses e patrimônio, para então entregar um produto (ou vários) que atenda às necessidades dele. Baptista resume: “O coach ensina a fazer e o consultor só diz o que fazer”.