14 de agosto de 2011

Necessidade de reconhecimento

É muito interessante como nós seres humanos somos tendenciosos a enganar a nós mesmos, quando afirmamos que independente de qualquer coisa que fizermos, não precisamos do reconhecimento de ninguém. E por que quando este reconhecimento não vem na maioria das vezes nos chateamos e até mesmo nos sentimos magoados? Será porque quando este reconhecimento não vem achamos que todo esforço e dedicação foram em vão? Será que não está na hora de assumirmos que precisamos ser reconhecidos? Será que não está na hora de assumirmos que o reconhecimento é o nosso combustível? E se eu disser que se faltar este combustível talvez ficaremos estacionados?
Assumindo ou não temos uma necessidade muito grande de sermos reconhecidos, isso no que diz respeito a todas as áreas da nossa vida. Infelizmente a maioria das pessoas que nos cercam tem outra visão; alguns acham que se fizerem tal coisa estará alimentando o nosso ego, estará fazendo com que o nosso nariz empine,estará fazendo com que entendamos que somos insubstituíveis ou até mesmo entendendo que está dando asa a cobra. Nossa que visão mais mesquinha não é mesmo?Até porque estas pessoas que nos negam um determinado reconhecimento, também almejam a mesma coisa, ou seja, ser reconhecido.
Então se queremos ser reconhecidos por aquilo de bom e útil que fazemos, precisamos de antemão reconhecer aquilo de bom e útil que as pessoas fazem por nós. Por quê? Porque assim como nós elas também querem e necessitam ser reconhecidas. Claro que não é para crescer o ego ou empinar o nariz, mas simplesmente para entender que fez um bom trabalho, que agiu de forma correta, que se esforçou muito, que é alguém inteligente, comprometido, responsável, confiável, útil, eficiente, indispensável, ou seja, para que não se desanime, para que trabalhe feliz, para que chegue em casa feliz, para que durma feliz, para que viva feliz, para que se sinta importante e necessária, para que amanhã volte a trabalhar compreendendo que está fazendo um ótimo trabalho, para que não pare nunca de se esforçar, para que não pare de crescer, para que não se frustre, mas o mais importante é para que se sinta VALORIZADO.
Se reconhecermos as pessoas que estão fazendo algo de bom para nós, com certeza seremos reconhecidos por aquilo de bom que fazemos com as outras pessoas, é a lei semeadura, ou seja, aquilo que plantarmos, com certeza colheremos. Agora não esqueçam: a semente deve ser plantada, regada e bem cuidada, para que possamos colher de seus frutos.


Mônica Bastos

“Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.” (Atos 20:35)