1 de janeiro de 2014

A linha de chegada, não é a linha de chegada

Ao nos depararmos com o dia 31 de dezembro é inevitável que façamos uma reflexão de todos os acontecimentos que marcaram a nossa vida durante o ano. E quando isso acontece estamos suscetíveis a dois tipos de sentimentos: A alegria por ter alcançado tudo aquilo que planejamos ou a frustração por não termos alcançado aquilo que tanto almejamos. Logo temos uma rápida definição de como foi o nosso ano. Se tudo deu certo, significa que o ano foi muito bom, do caso contrário, o ano foi péssimo. É muito triste quando temos uma visão tão mesquinha dos acontecimentos que fizeram parte do nosso ano.
Para não nivelar a nossa vida de forma tão rasa, é muito importante aprendermos analisá-la minuciosamente de maneira que não venhamos tornar insignificante, as bênçãos de Deus na nossa vida. Quando fazemos com que os pequenos acontecimentos se tornem insignificantes, desenvolvemos um sentimento de insatisfação e quando somos dominados por sentimentos de insatisfação, por maiores e positivos que sejam os acontecimentos, nunca nos serão suficientes. É preciso aprender a apreciar todos os momentos da nossa vida, até aqueles que para nós não parecem serem bons, pois por pior que sejam certos acontecimentos, eles sempre veem acompanhados de algo positivo, e a própria palavra de Deus nos testifica:

E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.(Romanos 5:3-5)

Quando falamos de tribulação, estamos nos referindo a eventos ou situações que de alguma forma venham a nos aborrecer. E o que podemos tirar de bom de acontecimentos que nos aborrecem? Como a própria palavra de Deus nos diz: “Aprendizado”. Quando passamos por situações difíceis podemos tirar delas vários aprendizados, principalmente a paciência. Nós seres humanos somos muito imediatistas, quando queremos algo, simplesmente queremos, sem muitas vezes nos preocuparmos com as possíveis consequências. Quando passamos por situações aborrecedoras aprendemos a esperar com calma, compreendendo que algumas situações estão fora do nosso controle e que muitas vezes, muitas mesmo, dependerão de outras pessoas para serem resolvidas. Situações difíceis, além de nos ensinarem a ter paciência nos ensinam que somos seres humanos e como seres humanos não somos super-heróis como nos mostram as revistas em quadrinhos, que conseguem tudo que querem. Podemos sonhar, fazer planos, mas tendo a convicção de que alcançar objetivos significa comprometimento, responsabilidade, dedicação, trabalho em equipe e principalmente tempo. Não significa que aquilo que planejamos para 2013 e não deu certo, não possa vir a dar certo em 2014 ou até mesmo em 2015. É preciso compreender que alguns resultados levam certo tempo. É como montar uma empresa e esperar que no primeiro instante venham os lucros, sabemos que não é assim que funciona.
Se algo que planejou para 2013 não deu certo, ao invés de desistir aprenda a ser paciente, espere o momento certo, até porque a paciência traz a experiência. Sim, muitas vezes fazemos planos, sonhamos com algo para a nossa vida e quando não temos paciência para esperar simplesmente desistimos. Não podemos desistir dos nossos sonhos, se não deu certo é porque ainda não estamos prontos, o que devemos fazer é esperar. Esperar não significa ficar parado, significa que precisamos prosseguir  com os mesmos planos e projetos, prosseguir com a mesma dedicação e comprometimento, compreendendo que enquanto aguardamos estamos aprendendo com as experiências vividas. Experiências que nos deixarão prontos, para alcançar aquilo que tanto sonhamos. Quando aprendemos a esperar e a prosseguir com as experiências vividas, nasce em nós a esperança de que quanto mais o tempo passa e mais aprendemos, mais perto estamos de alcançar os nossos objetivos. A esperança não nos traz confusão, não nos cansa e não traz um sentimento de que estamos perdendo tempo, de que tudo foi em vão, pelo contrário, quanto mais o tempo passa nos faz compreender que tudo, tudo que temos vivido tem valido à pena, até porque o mais importante numa jornada nunca vai ser a chegada, mas a caminhada. A caminhada é que traz paciência, experiência, esperança e principalmente vitórias. Se não tivermos essa caminhada, o que diremos para aqueles que virão atrás de nós? A vida foi feita para ser vivida, e essa vivência incluem acontecimentos bons e ruins, porém o que diferencia o vitorioso do perdedor é simplesmente à maneira com que encaram estes acontecimentos.
A nossa vida é uma caminhada, onde saímos a prosseguir um caminho reto, outrora sinuoso, caminho o qual encontraremos atalhos, obstáculos e muitos lugares íngremes, e isso faz com que muitas vezes o percurso seja doloroso. Subiremos e desceremos várias vezes, mas não podemos nos desesperar, afinal de contas faz parte do processo. O mais importante disso tudo é aprender com cada momento e principalmente entender que a linha de chegada, não é a linha de chegada, pois quando estivermos lá, com certeza descobriremos que ainda precisaremos prosseguir. Então não se desespere, pois a nossa caminhada será contínua até o último dia das nossas vidas. Olhe a sua vida por este ângulo e responda para si mesmo: O ano de 2013 valeu a pena?


Mônica Bastos