6 de julho de 2014

O que fazer quando o barco está afundando?

Quem em algum momento da vida não fez planos? Quem não sonhou com aquele tal empreendimento ou até mesmo com aquela posição na empresa? Muitas vezes sonhamos, planejamos, colocamos a mão na massa e conseguimos alcançar todos os nossos objetivos profissionais e também pessoais, mas infelizmente, muitas vezes, de uma hora para outra, as coisas começam a desmoronar e tudo aquilo que levamos anos para conseguir, simplesmente está prestes a desaparecer.
O que fazer? Talvez a solução esteja na resposta das duas perguntas abaixo:
- Porque o meu barco está naufragando?
- O que fazer para impedir que o meu barco naufrague?

Motivos que levam um barco a naufragar:
 Erros de cálculos na construção da embarcação (Visão): Antes de abrirmos uma empresa ou iniciarmos a nossa vida profissional é preciso saber exatamente o que queremos, de forma que não venhamos a entrar em um negócio que traga-nos prejuízos. É importante saber exatamente qual é a nossa visão e mantê-la. A visão de uma empresa ou de um profissional traduz as suas aspirações para o futuro, ou seja, são as suas perspectivas de crescimento, indicando o caminho que se pretende percorrer e o alvo a ser alcançado. Quando um profissional ou empresa perde a sua visão, ambos ficam estagnados, perdem completamente o rumo. Sem expectativas, não se renovam e consequentemente ficam para traz.
 Mudança de rota (Missão): É preciso saber quem somos, e principalmente o que queremos. Saber exatamente qual é a nossa missão. A missão de um profissional ou de uma empresa, é a sua razão de existir, é a sua essência e sua proposta em relação ao ambiente em que atua. A missão o impulsiona a prosseguir, é a sua força e motivação para não desistir.
Quando o profissional ou empresa perde a sua missão, automaticamente perde a sua essência. Sem a essência tende a mudar a rota, navegando por águas desconhecidas e misteriosas, correndo o risco de perder-se em alto mar.

 Perfuração no casco: Quando falamos de uma embarcação, sabemos que para mantê-la navegando é necessário que o casco esteja intacto, livre de quaisquer perfurações. Na empresa ou na vida profissional não é diferente, precisamos manter os pés no chão. Não podemos agir de maneira leviana, colocando o braço aonde não podemos alcançar. Estabilidade é fundamental para que possamos prosseguir. Não conseguiremos de maneira alguma alcançar o sucesso, deixando pendências para traz. Sabe qual é o maior perigo das perfurações no casco de uma embarcação? Elas permitem que entrem água na parte submersa do barco, aquela parte quem ninguém vê. Visivelmente não há estragos, mas chega um momento que a água toma conta, trazendo instabilidade para embarcação. Uma embarcação instável não está adequada para lidar com as mudanças climáticas, muito menos vencer as tempestades vindouras.
 Falha na navegação: Comandar uma embarcação não é fácil, é preciso haver preparação. A falha humana é um dos motivos do naufrágio. Muitas vezes, a falta de experiência do comandante leva o barco a colidir contra rochas submersas ou contra outros barcos. Numa empresa ou na vida profissional não é diferente, caso não estejamos preparados, corremos grande risco de colidirmos com superiores, subordinados, fornecedores ou demais membros da equipe, provocando um estrago enorme, afinal de contas, sozinhos não conseguiremos ir muito longe.
 Abandono do barco: Tempestades não são fáceis de serem enfrentadas, no entanto é preciso vencê-las, principalmente quando estamos no comando do barco. Se nós que estamos no comando, fugirmos das tempestades será que os nossos subordinados estarão aptos a sair dela? Por mais difíceis que as coisas pareçam estar, fugir não é uma opção sábia. É preciso estar ciente de que algumas tempestades são causadas por nós, por nossas decisões e atitudes equivocadas. Mudar de barco não resolve o problema, pois com certeza a tempestade nos acompanhará.

Como impedir que o barco naufrague?

 Acordar: É muito difícil admitir que a nossa vida profissional ou empresa chegasse a tal ponto, pois bem, acordar é a primeira opção. Infelizmente muitas pessoas dormem enquanto o barco afunda. É hora de reconhecer o estrago. Como concertar algo que na minha visão não está quebrado? Difícil, não é mesmo?
 Analisar os estragos: É necessário fazer um levantamento de toda a situação. Em um barco que está prestes a afundar, é preciso ver o que se pode aproveitar.
 Tirar o excesso de peso: Infelizmente chegou a hora de optar pelo indispensável. Não podemos carregar tudo, então precisamos nos livrar do peso. Tire tudo que porventura for dispensável, é difícil se desfazer de algumas coisas, regalias, funcionários, mas infelizmente, não temos opção, caso contrário, todos afundarão. É hora de esvaziar o barco.
 Navegar para terra firme: Talvez seja a hora de parar um pouquinho e buscar terra firme. Essa não é uma decisão nada fácil, porém a mais sensata. Se não conseguimos navegar de maneira segura é preferível buscar terra firme para tomar um fôlego. Precisamos de um tempo para concertar as coisas.
 Concertar as perfurações no casco: A única maneira de voltar a navegar de maneira segura, é concertando as perfurações do casco. Porém de antemão é bom sabermos o que causou os estragos. Precisamos evitar novas perfurações, afinal de contas, não queremos novamente correr o risco de naufragar.
Mônica Bastos
“Tolo é aquele que naufragou seus navios duas vezes e continua culpando o mar.” (Públio Siro )