Pense fora da caixa

Atualmente a situação do país é extremamente difícil. Na busca por soluções para as suas dificuldades muitas pessoas têm tomado medidas drásticas. O nível de estresse coletivo é altíssimo e o desespero por parte de alguns é visível. Infelizmente o desespero não vem sozinho, traz consigo a desesperança que possivelmente nos deixa inertes diante da situação. A criatividade falha e a saída mais viável é seguir a maioria e seguir a maioria pode não ser tão proveitoso quanto parece. Essa atitude nos dá apenas uma sensação de que não estamos sozinhos no mesmo barco e isso é realmente reconfortante, mas do que adianta caminhar com a maioria quando percebemos que estamos indo em direção a um grande iceberg? Ter a certeza de que não afundaremos sozinhos? Em situações difíceis precisamos buscar estratégias que nos levem para longe do problema e para isso é necessário aprender a pensar fora da caixa. O que seria essa caixa? Nossos conceitos, crenças, costumes, nossa zona de conforto, o lugar ou situação a qual nos tornamos reféns.
Qual o problema de pensar dentro da caixa? A dificuldade para ver além. Acostumamo-nos tanto com a situação que corremos o risco de perdermos a própria identidade. A nossa visão é limitada e alterada de acordo o que diariamente vivenciamos. De maneira imperceptível a minha idade afeta o meu modo de pensar, o meu histórico afeta o meu modo de pensar, os meus pais, o meu gênero, a minha comunidade, os meus amigos afetam o meu modo de pensar, negando quem somos e o que almejamos. Concordo com Anthony Robbins quando diz: “Porque se não dirigirmos nossos pensamentos, cairemos sob a influência daqueles que nos condicionariam para nos comportarmos como desejam”.
Muitas pessoas não têm certeza se querem verdadeiramente pensar fora da caixa, já que é algo que envolve grande risco. Mas precisamos ter consciência de que toda decisão envolve risco. Se sair da caixa é arriscado, ficar dentro dela não nos isenta dos riscos.
Se optarmos pelo novo, por pensar fora da caixa,  o primeiro passo é abrir a nossa visão para fazer uma análise acerca do nosso ambiente e o impacto que ele causa nas nossas vidas. Logo é necessário perguntarmos para nós mesmos: Como me sinto nesta situação? Quais as minhas expectativas? Elas podem ser alcançadas? As respostas destas perguntas podem nos dar um direcionamento, principalmente se chegarmos à conclusão de que estamos numa situação difícil. Situações difíceis são ideais para identificarmos a necessidade de mudança. Mas mudar, inovar, não é uma tarefa muito fácil. Existem inseguranças e investimentos são requeridos. Esta é uma atitude tomada por aqueles que compreendem que para estar sempre a frente é necessário ser mais competitivo, e para ser mais competitivo é preciso inovar.Sair da nossa zona de conforto e tentar obter uma nova perspectiva acerca das ideias e ações que temos é algo complicado, principalmente quando já estamos acostumados com uma rotina fixa. Será necessário um trabalho de desconstrução, com o intuito de que uma nova ideia surja. Mas quando isso acontece ganhamos discernimento sobre a própria vida, e partimos à procura de oportunidades que estão alinhadas com aquilo em que acreditamos.Ganhamos dignidade e muitas chances de encontrar um trabalho com propósito.
Romper barreiras e quebrar paradigmas depende exclusivamente de nós mesmos, por isso é preciso ter cuidado para não sair de uma caixa e entrar em outra.
“Arrisque-se! Toda vida é um risco. O homem que vai mais longe é geralmente aquele que está disposto a fazer e a ousar. O barco da 'segurança' nunca vai muito além da margem”. (Dale Carnegie)
Mônica Bastos

Postagens mais visitadas